terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Amelismo Moderno






Não entendo esse Feminismo barato que  as pessoas vendem por aí. Produção independente, mulher dizendo que não precisa de homem e outras bobagens. Se isso fosse seguido com fidelidade pelo menos, ok! Até dava pra descer. Mas tem muita bonita por aí, desfilando uma axila não depilada, um salário mais alto que o do namorado, e na hora de arcar com as despesas bate o pézinho com as amigas, dizendo que acha um absurdo ele não pagar a conta. Pelo amor de Deus, né? Você não é da turminha que queimou sutiã? Então honre essa quantidade anti-higiência de pelos que você tem no meio das pernas!

Não tô dizendo que sou machista, ou algo assim. O Feminismo fez com que fôssemos tratadas como gente, pelo menos. Mas isso também não faz com que eu queira por meu Victoria’s Secrets na fogueira, não mesmo. Porque tem muita hipocrisia e ilusão nisso aí. Fala sério, alguém concorda comigo quando eu digo que as famílias desmoronaram depois que a mulher saiu de casa pra trabalhar? E fora que o nosso trabalho dobrou, porque além de termos uma casa para administrar e filhos pra educar, ainda temos que trabalhar fora e ficarmos bonitas para os nossos maridos. O Feminismo que muita gente segue por aí, não passa de um machismo maqueado. Se fosse para ter direitos iguais, nós poderíamos andar sem camisa por aí, e os homens também teriam que tomar a frente dos serviços domésticos e educação dos filhos. Mas isso não acontece, gente. Isso não existe. Então, é melhor assumir logo que você vai passar toda a sua vida pegando cerveja na geladeira e levando pro seu marido enquanto ele assiste futebol, do que ficar procurando um marido que seja Feminista, porque você não vai encontrar, amor. Não vai.

E é nessa, que muitas decidem ficar sozinhas, não ter família. Porque afinal, elas “não precisam de homem”, elas são “muito bem resolvidas quanto a isso”. Mas eu tenho uma verdade pra te contar, amiga: Você precisa sim. A não ser que você consagre sua vida a Deus, você precisa de uma família, você precisa de um homem para arrumar a TV quando ela quebrar e para dizer que você não está gorda. Porque senão, você vai passar a sua vida lambendo talher na cozinha de casa sozinha porque o gostosão de meia idade do trabalho que você convidou para jantar na sua casa, não entendeu o seu conceito de ‘refeição’, e comeu o prato errado. Se você continuar alimentando esse monstrinho de mentira que te deram na adolescência e você tomou como algo bom, sua vida terá gosto de paliativos. E ela não precisa ter.

Os próprios homens assumem que não vivem sem as mulheres. Por que tem menina aí com essa palhaçada? Eu não tenho problema nenhum se meu namorado quer pagar as entradas do cinema pra mim, se eu posso dividir, eu divido... mas quando  ele fala: Não Ju, por minha conta hoje. Eu não vou ficar ofendida, do tipo: Ai, isso é tão anos 60. Imagina, já deu esse negócio de menino pagar a conta. Fala sério, minha filha, quando você casar é você que vai fazer a comida, limpar a casa, passar as roupas dele. No máximo você que vai pagar a empregada. Deixe ele ser gentil com você se ele quiser. Sem mimimi. Sem frescura. Deixe ele abrir a porta do carro, não existe nada de retrógado nisso. Pra mim, a modernidade tem que ser encarada como algo para otimizar a relação entre homens e mulheres, não para inverter os valores. Afinal, não importa onde você vai procurar o homem certo, o namorado, o marido, o casinho ou whatever, se ele for de fato homem, ele sempre vai pensar assim: Amélia que era mulher de verdade, e a minha maior fantasia é sexo com duas mulheres. Isso é item de fábrica, amiga. Ele pode ser santinho, nerd, gostosão, popular, retardado, novinho, velhote... eles sempre pensam isso, podem até não agir como se pensassem, mas eles pensam.
 
Então para que complicar o que já tá difícil? Você terá que trabalhar fora de qualquer jeito, os filhos virão para estragar sua silhueta... tente fazer isso ficar mais fácil. Por você. Tente ser menos novela das 8. Ninguém quer ficar pra titia, então sejam menos autodestrutivas e mais divertidas. Você não precisa ser uma empregada subordinada, mas também não precisa dar um grito de independência que você não quer, e não está preparada para dar.

4 comentários:

Maary S. disse...

Amei e super concordo com você!

Juliana Poiares disse...

Ai, ainda existem mulheres orgulhosas por serem mulheres! Obrigada Deus!!!

Obrigada, Mary ♥

Anônimo disse...

Essa menina merece um prêmio.
O romance agradece sua tentativa de salvá-lo.

"Pra mim, a modernidade tem que ser encarada como algo para otimizar a relação entre homens e mulheres, não para inverter os valores."

Tu me entende. <3

"(...)se ele for de fato homem, ele sempre vai pensar assim: Amélia que era mulher de verdade, e a minha maior fantasia é sexo com duas mulheres."

Verdade maior nunca foi dita, haha! XD

Belo texto.
Felicidades pra ti e pro teu analista de sistemas. ^^

Matt :)

Juliana Poiares disse...

Oi Matt, muito obrigada querido! xD

Invista no romantismo e reforce os valores verdadeiramente, porque no fundo, é só isso que as mulheres querem.

Grande beijo :*