quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Amizades frustradas, clichês e suas escolhas.




Uma vez eu escrevi isso para alguém especialmente importante pra mim.

"Amizade. Eu sei que hoje as coisas parecem estar se perdendo. Pra todo mundo tá muito difícil lidar com as falhas alheias, e principalmente com as próprias. E no meio dessa confusão sufocante que tá deixando metade maluco e outra metade assistindo de camarote com um balde de pipoca e um copo de alienação geladinho bem em cima do muro, quero deixar rabiscado em qualquer canto que você possa ler um dia e se lembrar, que eu te amo, e mais do que isso, te respeito - porque de fato existem amores sem respeito - , e mesmo que já estejamos nessa altura do campeonato (campeonato aliás que ninguém leva nada no final), você pode contar comigo, ainda que a recíproca não seja verdadeira. Quando eu te chamei de "meu amigo" pela primeira vez, não foi de brincadeira, não costumo brincar com a maior coisa que eu tenho na vida; O amor pelos meus amigos. Concluo com uma frase de Stephanie Meyer: "(...) como se houvesse alguma forma de eu existir sem precisar de você!"




E velho, eu fui sincera. Cada palavra tinha - tem - muita verdade, e muita vontade de mudar as coisas, mas depois do efeito que essa "declaração" causou em quem a recebeu, eu tive certeza absoluta de vários clichês que as pessoas soltam irresponsavelmente - i r r e s p o n s á v e i s ! - por aí. Um desses clichês, é que o importante mesmo é tomar atitudes, porque palavras o vendo realmente leva. Na verdade, elas  em muitos casos, não possuem nenhum valor. Essa minha 'pseudocartinha' patética e fraca não significou absolutamente nada pra quem recebeu. Foi inútil! Outro clichê, muito famoso que me foi confirmado, foi o tenso e dramático: "Não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam." É verdade man, você vai depositar sua confiança e suas expectativas no vão muitas vezes, em coisas inclusive, que você achava que não precisava se preocupar. O seguro morreu de velho, meu amigo!  Outro clichê que me impressionou muito, e acho que foi o que mais doeu admitir... é que amigos verdadeiros você conta nos dedos de UMA mão - talvez nos dedos das duas se você tiver sorte - .  Tome cuidado com quem você deixa entrar na sua casa, na sua cozinha, no seu mural de fotos e principalmente, no seu coração. Você pode não ser bem recebido quando resolver retribuir a visita cordialmente. 

Não tô falando essas coisas para que isso seja interpretado como um drama adolescente, uma lamúria mimada ou qualquer outra merda fútil. Só tô alertando - tentando - que tudo sempre pode ficar pior se você fizer as escolhas erradas. Tudo o que você iniciar na sua vida - desde um simples corte de cabelo até seus relacionamentos - tem 50% de chances de dar certo, e 50% de chances de dar errado. E dizer o que você sente para uma pessoaa, por mais sincero e por mais significante que seja pra você, tem 50% de chances de não valer absolutamente nada pra ela.

E que o que faz a diferença na sua vida e na sua felicidade são as suas escolhas, todo o tempo. Você não precisa mendigar amor de ninguém, você não precisa dar murro em ponta de faca, você tão precisa ser a piada favorita de ninguém, e principalmente, você não precisa declarar alguém ou algo sagrado, e se deixar profanar e substituir ("Quando considerei você sagrado, me deixei profanar" Jaqueline Winter). Repito: Tudo depende das suas escolhas, e se um dia você estiver entre você e alguém que ri das suas verdades. Escolha um um novo dia, uma nova música, por um sentimento que se importe com seus sentimentos. Você não é substituível! Nem a pessoa que te trata desse jeito é, se ela fosse, você não a amaria tanto. Você não precisa ficar remoendo mágoas banais. Não existem pessoas substituíveis, existem pessoas dispensáveis. E hoje, eu dispensei. Não por falta de forças pra continuar lutando por uma amizade virtuosa - "virtuosa" -, e sim, por questões de escolha. E minhas escolhas são baseadas no respeito, você não é obrigado a me engolir e eu não sou obrigada a engolir muita gente que você quer me enfiar goela a baixo pra chamar a atenção de outra pessoa - tá, essa ficou ridiculamente direta -. Sem drama. Sem pecado. Sem estresse! Escolhi, selecionei, e dessa vez, eu não vou tentar te provar nada. E é a última prova de lealdade que eu deixo pra você, meu amado. Escolhi por aqueles que me escolheram. E que fariam isso 1000 vezes...

Um comentário:

Carol Fernandes, disse...

aaai flor, obrigada por seguir !

adorei esse post, bem verdadeiro u-u
você sabe, mas eu repito seu blogluxo :b

beijos companheira :*